Escolha uma Página

SÉRIE BRASIL 2010

SÉRIE BRASIL 2010 (2009 – 2020)

A característica principal desse conjunto de obras é a formação instrumental, que contempla obras para instrumentos solistas e orquestra de cordas, de câmara ou sinfônica. As obras dessa nova série mantêm alguns elementos estilísticos solidificados na Série Brasil 2000, mas desenvolvem uma estética hibridizada a partir de diversas influências. Enquanto as obras da Série Brasil 2000 são concebidas em um único movimento, as obras da Série Brasil 2010 são concertos solistas com vários movimentos.

Série Brasil 2010 n. 1 – Concerto para Duas Flautas e Orquestra de Cordas  (2009)
Série Brasil 2010 n. 2 – Concerto para Violão e Orquestra de Câmara  (2009)
Série Brasil 2010 n. 3 – Concerto à Era de Aquário – para Piano e Orquestra (1990, rev. 2010)
Série Brasil 2010 n. 4 – Rapsódia Maracatu para Piano e Orquestra (2016)
Série Brasil 2010 n. 5 – Concerto para Flauta e 8 Violoncelos (ou Cordas)  (2011)
Série Brasil 2010 n. 6 – Concerto para Violino e Orquestra de Cordas (2012)
Série Brasil 2010 n. 7 – Concerto para Dois Violoncelos e Orquestra de Cordas (2013/2018)
Série Brasil 2010 n. 8 – Concertante para 5 Tímpanos e Orquestra (2014-2015)
Série Brasil 2010 n. 9 – Suíte-Concertante para Clarinete (ou Bandolim) e Orquestra de Câmara (2016)
Série Brasil 2010 n. 10 – Concerto para Violino e Orquestra “As Quatro Estações Brasileiras” (2018-2019)
Série Brasil 2010 n. 11 – Concerto para Oboé e Cordas  (2020) (com versões para Harmônica, Flauta Doce e Trompete)
Série Brasil 2010 n. 12 – Concerto para Trombone e Orquestra (2020-2021)

SÉRIE BRASIL 2000 (1998-2008)

Concebi a Série Brasil 2000 como um conjunto de obras para diversas forças instrumentais, a exemplo das Bachianas de Villa-Lobos. Nessas obras busquei um nacionalismo abstrato, através de uma síntese entre elementos da música brasileira e feições do Minimalismo, e um equilíbrio entre os elementos nacionais e o voo universalista, definindo uma estética pessoal mas também inclusiva.

Série Brasil 2000 n. 1 – Brasil Amazônico (1998-2000) — Orquestra (1.2.2.2.2 – 4.2.3.0 – 3 Perc. – Harpa – Cordas)
Série Brasil 2000 n. 2 – Passacaglia Fantasia  (1991-1993 rev. 2007) — Piano e Orquestra
Série Brasil 2000 n. 3 -Toccata Amazônica (1998-99) — Orquestra (1.2.2.2.2 – 4.3.3.0 – 5 Perc. – Piano – Cordas) / 8 Percussionistas e Piano
Série Brasil 2000 n. 4 – Toronubá (2000) — Orquestra (1-2-2-Eh.-2-Bcl.-2 – 4.3.3.1 – Timp. + 4 Perc. – Piano – Cordas) / Orquestra de Câmara (Cordas, 3 Perc., Piano) / 8 Percussionistas e Piano
Série Brasil 2000 n. 5 – Pattapiana (2001) — Flauta solo e Orquestra de Cordas
Série Brasil 2000 n. 6 – Aiamguabê (2002) — Orquestra de Cordas e Piano / Quarteto com Piano
Série Brasil 2000 n. 7 – Elegia Fantasia (2003) — Orquestra de Cordas
Série Brasil 2000 n. 8 – Uguabê (2008) — Orquestra de Cordas e Piano / Quarteto com Piano
Série Brasil 2000 n. 9 – Canauê (2005-2007) — Orquestra (1.2.2.2.2 – 2.2.0.0 – 3 Perc. – Cordas) / Orquestra de Cordas

Quando da apresentação de toda a Série Brasil 2000 em um único concerto (~ 90 min. de música), a ordem deverá ser:

Parte I
1. Elegia Fantasia
2. Pattapiana
3. Aiamguabê
4. Uguabê
5. Passacaglia Fantasia

Parte II
6. Canauê
7. Toccata Amazônica
8. Brasil Amazônico
9. Toronubá